sexta-feira, 6 de junho de 2008


há dias em que a felicidade poderia ser nome de rua.
estamos na soleira da porta e somos um corpo
estarrecido de espera.






21 comentários:

efvilha disse...

Olá.

E sabe-se lá que existência somos, pois que respostas ainda não há.
Seremos nós somente almas estacionadas nas soleiras das portas de corpos fixos na cadeia da matéria, e o tempo é a rua que desliza à nossa frente, ou seremos nós o pavimento que recobre o tempo; e pasmados somos iguais às duas figuras que se contemplam.

Beijo de Paz, em ti.

Vanessa disse...

hummm... odeceixe... :D

era tão bom que a felicidade fosse nome de rua e morasse em TODAS as casas, né?

good things come to those who wait.

será?! :)

um beijinho*

Evuska disse...

Blog espectacular.....
Passo por aqui algumas vezes e gosto mto;)

Fica bem

Ana disse...

que foto tão linda:)*

talvez a felicidade não seja nome de rua mas ande pela rua, passe por nós e nem olhamos para ela...afinal de contas, não olhamos para ninguém na rua.

Rute disse...

"Fogem de mim agora, os que outrora me procuraram descalços..."
Besos

Nogs disse...

E há dias em que a felicidade devia ter nome de vento, para nos abraçar na soleira dessa porta enquanto esperamos.

Que post fantástico, querida.

Beijos mágicos

Happy and Bleeding disse...

eu gostei mesmo foi do texto.

Andreia Ferreira disse...

menina, morri um bocadinho agora com este texto... ***

Queen Frog disse...

efvilha,

q bom receber um beijo de paz!
(tão forte a tua reflexão...)


vanessa,

"será?" *


evuska,

:) volta sempre!


ana,

sim, seguimos indiferentes...deixando escapar os pequenos instantes.


rute,

de quem é? q bonito!


anabela,

eu sim! gosto de te abraçar...:)


happy,

:)** (sabes q a naifa n vieram...?!:()


andreia,

e "morrer de vez enquando..." (eu sei q teu sabes o resto!)

alice disse...

:) bem pensado! beijinho.

aida monteiro disse...

há algo de intemporal que se demora nestas palavras. muito bom.

um abraço.

Victor Oliveira Mateus disse...

Já conheci essa felicidade: as velhas sentadas na soleira tentando
"ler os astros", o canto insistente
das invisíveis cigarras, o verde, sobretudo o verde... Hoje a felici-
dade adquiriu outro nome: o carro
comprado para ostentação, os gestos
e os sorrisos devidamente encenados, os lugares públicos cheios para mascarar os vazios pri-
vados, enfim, a felicidade hoje é
um postiço para enganar a solidão e
a incapacidade de comunicar o que é importante... felizmente não é
assim para todos!
Bjs.

Rute disse...

"No fundo, bem lá no fundo do corpo, mora a alma.
Dentro da alma,
lá bem no centro,
pousado numa pata
está um pássaro.
E o mais importante — é escutar logo o pássaro.
Por isso vale a pena
talvez tarde pela noite, quando o silêncio nos rodeia,
Escutar o pássaro da alma que mora dentro de nós,
no fundo, lá bem no fundo do corpo."
O Pássaro da Alma, Michal Snunit

Queen Frog disse...

víctor,

e somos sós!


rute,

q lindo! brigada, brigada.

beijinhos

inBluesY disse...

odeceixe, saudades muitas

menina tóxica disse...

...


palavras lindas lindas menina rainha :)*

Queen Frog disse...

inbluesy,

tb eu tenho sempre tantas saudades. há cinco anos que Odeceixe me acolhe uns dias em Agosto ;)


menina tóxica,

oh polvinha...brigada!

beijinhos

Nogs disse...

porquê que ando tão fatum?


...

Tão nostálgica


...


tão solta ao vento,



tão perdida no tempo?


Café?

BeijO

Queen Frog disse...

nogs,

minha linda!!!

seguro! a quina hora?

Vertigo disse...

E olha,tens aqui um grande blog!

*

ana salomé disse...

grande poema.

e o alentejo.